Miguel Macedo é o nome mais falado para suceder a Miguel Relvas

O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo
Foto
O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo Daniel Rocha

Pouco depois de ser conhecida a demissão de Miguel Relvas, nesta quinta-feira, especulava-se muito sobre quem é que o primeiro-ministro vai escolher para ocupar a pasta dos Assuntos Parlamentares.

No PSD o nome mais falado para suceder a Miguel Relvas é o do ministro Miguel Macedo, que muitos consideram ter o perfil adequado para ocupar o cargo. Segundo revelaram ao PÚBLICO fontes sociais-democratas, há muito tempo que o nome do ministro da Administração Interna, que foi secretário-geral de Marques Mendes, é apontado para o lugar.  

Ex-secretário de Estado da Justiça dos ministros Celeste Cardona e José Pedro Aguiar-Branco, Miguel Macedo é considerado como um ministro muito competente, com  preparação política e jurídica para ser ministro dos Assuntos Parlamentares, de acordo com as mesmas fontes. “Jurista, Miguel Macedo é uma pessoa prudente, com grande experiência e muito meticuloso”, sublinhava um ex-dirigente nacional do PSD.

Um outro nome é o do secretário do Estado da Segurança e da Solidariedade Social, Marco António Costa, que recusou ser candidato à presidência da Câmara de Gaia nas autárquicas deste ano, optando por ficar no Governo, respondendo a um pedido do primeiro-ministro.

Como referia nesta quinta-feira o antigo ministro da Administração Interna, Ângelo Correia, a saída de Miguel Relvas foi o “primeiro passo da remodelação” do Governo, considerando que a sua saída “não tem qualquer efeito na estabilidade” do Executivo de Passos Coelho.

Segundo Ângelo Correia, esta saída “isolada” deve corresponder a um “acordo estabelecido entre o primeiro-ministro e o próprio Miguel Relvas no sentido de o não incluir na mudança geral do Governo, respeitando com isso a relação pessoal e política que ambos partilhavam”.

“Como eu acho que a remodelação deveria ter lugar na próxima semana, antes da saída do Presidente da República para a América do Sul, a saída antecipada de Miguel Relvas não tem qualquer efeito na estabilidade do Governo”, afirmou citado pela Lusa.

Mas há quem considere um “erro” Passos substituir apenas Relvas, quando há ministros que devem abandonar o Governo como é o caso de Álvaro Santos Pereira. “O Ministério da Economia está a desmoronar-se”, declarou ao PÚBLICO fonte social-democrata, lembrando que o secretário de Estado da Economia e do Desenvolvimento Regional, Almeida Henriques, está de saída do Governo para assumir a candidatura do PSD à Câmara de Viseu

Tal como o PÚBLICO adiantou na edição de quarta-feira, Miguel Relvas concertou a sua saída com o primeiro-ministro há já algum tempo e exigiu sair sozinho, evitando assim fazer parte de uma remodelação governamental. E Passos fez-lhe a vontade.

Sugerir correcção