Reacções: líder da oposição apela à “unidade” da Venezuela

Foto
Henrique Capriles Reuters

Henrique Capriles, líder da oposição na Venezuela, foi um dos primeiros a reagir à notícia da morte de Hugo Chávez, pedindo “união” da Venezuela e mostrando solidariedade com a família do seu ex-adversário eleitoral.

Henrique Capriles, líder da oposição
“A minha solidariedade a toda a família e aos apoiantes do Presidente Hugo Chávez. Defendemos a unidade dos venezuelanos neste momento”, escreveu Capriles na rede social Twitter.

“Nos momentos difíceis, devemos mostrar o nosso profundo amor e respeito pela Venezuela. Unidade da família venezuelana.”

Barack Obama, Presidente dos EUA
“Os Estados Unidos reafirmam o apoio ao povo venezuelano e o interesse em desenvolver uma relação construtiva com o Governo venezuelano.”

Quando a Venezuela começa um novo capítulo na sua história, os EUA permanecem empenhados em políticas que promovam os princípios democráticos, o Estado de direito e o respeito pelos direitos humanos.”

 Dilma Rousseff, Presidente do Brasil
“Não estivemos sempre integralmente de acordo com o Presidente Chávez, mas o seu desaparecimento representa uma perda irreparável. Foi um amigo do Brasil e do povo brasileiro.

 [Foi] um grande líder, preocupado com o desenvolvimento do seu país e do seu continente.”

Evo Morales, Presidente da Bolívia
“Estamos tristes pela morte do nosso querido irmão que lutou pela Pátria Grande”, disse Evo Morales depois de saber da morte de Chávez. “Os oligarcas do império estão certamente a fazer uma festa” com a sua morte, lamentou.

Morales convocou o povo “irmão” da Venezuela a estar mais unido do que nunca, para continuar o legado de 'El Comandante'. “Estamos a sofrer. Estamos esmagados”, disse, acrescentando que a “libertação, não só do povo da Venezuela mas também do povo da América Latina, tem de continuar”.

Cristina Kirchner, Presidente da Argentina
A governante suspendeu todos os compromissos em agenda depois do anúncio da morte de Chávez, de quem era uma amiga próxima, tal como o seu falecido marido.

No Twitter, o vice-presidente da Argentina, Amado Boudou, escreveu: “Grande dor em toda a América. Um dos melhores deixou-nos.”

Rafael Correa, Presidente do Equador
Em comunicado, o governo solidarizou-se com esta “irreparável perda que enluta o povo venezuelano e toda a região”, e enviou sentidas condolências para a família de Chávez.

Correa sublinha “os sentimentos de especial amizade” que unem o Equador e a Venezuela. Esta “fraternidade entre ambos os povos e o legado que deixa a vida deste revolucionário memorável continuarão a fortalecer as relações entre ambos os países e a integração da América Latina”.

Henrique Peña Nieto, Presidente do México
“Lamento o falecimento do Presidente Hugo Chávez. As minhas mais sentidas condolências à sua família e ao povo venezuelano”, escreveu o governante mexicano no twitter. Já o ex-presidente, Felipe Calderon, pediu: “Deixem a Venezuela decider o seu caminho através da democracia”.

François Hollande, Presidente francês
“Chefe de Estado desde 1999, marcou profundamente a história do seu país.

O falecido Presidente, além de seu temperamento e de orientações que não partilhávamos, exprimia uma inegável vontade de lutar pela Justiça e pelo desenvolvimento.

Estou convencido de que a Venezuela será capaz de superar este teste em democracia e paz.”

Ban Ki-moon, Secretário-geral da ONU
Sublinhando as contribuições que Chávez deu ao desenvolvimento do seu país, Ban Ki-moon enviou as suas “profundas condolências à família, ao povo e ao governo da Venezuela”. Promete para mais tarde uma declaração formal.
 
Raúl Castro, Presidente de Cuba
“Com profunda e lacerante dor, o nosso povo e o Governo Revolucionário tomaram conhecimento da morte do Presidente Hugo Rafael Chávez Frías e preparam-se para lhe prestar uma sentida e patriótica homenagem na sua entrada na História como Prócer da Nossa América. Expressamos sinceras condolências aos seus pais, irmãos, filhas e filho e a todos os seus familiares que já são nossos, como Chávez é também filho de Cuba e da América Latina e do Caribe, e do mundo.”

O Governo cubano declarou três dias de luto. Durante esse período a bandeira nacional estará a meia-haste nos edifícios públicos e militares e estão suspensos todos os espectáculos públicos e actividades festivas.

Juan Manuel Santos, Presidente da Colômbia
“Graças à sua dedicação e compromisso sem limites”, foi possível avançar “num processo sólido de paz”.

“O melhor tributo que podemos render à memória de Hugo Chávez é cumprir esse sonho que ele partilhou connosco: chegar a um acordo para o fim do conflito e ver uma Colômbia em paz. Ele dizia que isso era o que queria [Símon] Bolívar e tinha toda a razão.”

Vitaly Churkin, embaixador da Rússia na ONU
“Foi um grande político para o seu país, para a América Latina e para o mundo”, disse Churkin, falando da morte de Chávez como “uma tragédia”. O ‘El Comandante’ teve um papel importante no fortalecimento dos laços entre a Rússia e a Venezuela, acrescentou.

William Hague, Ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido
"Enquanto Presidente da Venezuela durante 14 anos ele deixou uma impressão duradoura no país e no estrangeiro", disse o ministro, acrescentando que ficou "triste por saber da morte do Presidente Hugo Chávez".

Também a embaixadora britânica na Venezuela, Catherine Nettleton, disse que quando conheceu Chávez ele recordou "calorosamente" as suas visitas ao Reino Undo. "O Presidente Chávez era apaixonado pelo seu país e a sua paixão será largamente sentida na Venezuela", afirmou, garantindo que vai continuar a trabalhar com o governo venezuelano para construir a coorperação em áreas de "interesse mútuo".