Bancos portugueses alvo de buscas por suspeita de agirem em cartel

Autoridades estão a realizar mais de duas dezenas de buscas em vários bancos.

Um estrangeiro que compre um imóvel de, pelo menos, 500 mil euros pode beneficiar de visto gold
Foto
Um estrangeiro que compre um imóvel de, pelo menos, 500 mil euros pode beneficiar de visto gold Fernando Veludo/NFactos

Trata-se de um processo de contra-ordenação por suspeita de cartelização nas áreas dos créditos ao consumo e à habitação, revela uma fonte ao PÚBLICO. Suspeita-se que os bancos agiram em cartel, combinando os valores dos spreads e das comissões.

Estão no terreno 16 juízes e 25 procuradores, avança a SIC Notícias. A operação de buscas, cerca de duas dezenas, está a ser levada a cabo pela Autoridade da Concorrência, Departamento Central de Investigação e Acção Penal de Lisboa e Tribunal de Instrução Criminal de LIsboa.

A Autoridade da Concorrência (AdC) confirma, num comunicado, a realização de buscas no âmbito de um processo de contra-ordenação "por práticas restritivas da concorrência, ao abrigo dos poderes que lhe são conferidos pela Lei n.º 19/2012". Também a Procuradoria-Geral da República emitiu um comunicado, assinado pela procuradora-geral Joana Marques Vidal, confirmando que as buscas estão a ser feitas "sob a presidência de senhores juízes de Instrução Criminal e com a coadjuvação da PSP".

Pouco depois de a AdC ter vindo confirmar as buscas, a Associação Portuguesa de Bancos (APB) reagiu para confirmar ter “conhecimento, pelos seus associados, de que estão a decorrer diligências de averiguação em vários bancos, no âmbito do processo de mera contra-ordenação, no domínio do Direito de Concorrência.”

A APB veio ainda lembrar que, “apesar de não ter qualquer tipo de intervenção em matérias de política comercial dos seus associados, não pode deixar de manifestar a sua surpresa pela realização e dimensão desta acção, tanto mais que o sector bancário se vem caracterizando por uma concorrência muito intensa e grande transparência na divulgação dos preços”. Já o Banco de Portugal declinou fazer comentários sobre a intervenção da AdC.

Segredo de justiça

As buscas realizam-se em "várias instituições bancárias" e "prendem-se com a verificação de indícios de troca de informação comercial sensível no mercado nacional", continua o comunicado da AdC, que suspeita da existência de acordos entre as instituições de modo a promover práticas concertadas com o objectivo de falsear, restringir ou impedir a concorrência na fixação de preços, neste caso, nas áreas dos créditos ao consumo e à habitação.


"Estas diligências da AdC não afectam a normal actividade das instituições bancárias envolvidas", salvaguarda o comunicado. As diligências foram requeridas ao Ministério Público, que promoveu para o Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa a realização das mesmas, continua o comunicado.

"A Autoridade da Concorrência decretou o segredo de justiça no presente processo de contra-ordenação, considerando que os interesses da investigação e os direitos dos sujeitos processuais não seriam concretamente compatíveis com a publicidade do processo", conclui a nota.

Notícia actualizada às 12h38, 13h08 e 13h33. Foi acrescentada informação da Autoridade da Concorrência, Procuradoria-Geral da República e Associação Portuguesa de Bancos, respectivamente.