Seguro escreve à troika a pedir avaliação tendo em conta situação do país

Líder do PS diz que Portugal está “à beira de uma tragédia social”. “Chegou o momento de dizer basta!”, afirma.

Seguro disse que Orçamento de Estado para 2013 contém o "maior aumento de impostos da História"
Foto
Seguro: “Estamos à beira de uma tragédia social” Daniel Rocha (arquivo)

António José Seguro enviou uma carta aos membros da troika a pedir que, na próxima avaliação, seja tida em conta a situação real do país e não apenas o que está escrito no memorando.

O secretário-geral do PS diz aos presidentes do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, da Comissão Europeia, Durão Barroso, e do Banco Central Europeu, Mario Draghi, que “infelizmente a situação económica e social agravou-se fortemente”. A carta pode ser lida na íntegra aqui.

O líder do PS lembra vários indicadores económicos sobre a situação de Portugal para acentuar “o retrato trágico da politica da austeridade do custe o que custar”.

“Em síntese, os portugueses estão a passar por enormes dificuldades, a fazer sacrifícios para além dos limites admissíveis, sem que se vejam os resultados (défice orçamental e divida pública) que o Governo e a troika prometeram; com consequências dramáticas no desemprego e na destruição do aparelho produtivo”, afirma Seguro.

O líder do PS usa mesmo uma linguagem dramática para classificar a situação do país, afirmando que “os portugueses não aguentam mais” e que “estamos à beira de uma tragédia social”. “Chegou o momento de dizer basta!”, acrescenta.

“A avaliação politica que propomos deve desenhar uma estratégia credível de consolidação das contas públicas, dando prioridade ao crescimento económico e à criação de emprego. Já não é só uma opção ideológica, como o PS tem defendido, trata-se de realismo. É uma obrigação moral, olharem para a situação de Portugal e terem, Governo e a troika, a humildade de reconhecerem que a vossa receita falhou”, diz ainda Seguro na missiva.

Lembrando que a “próxima avaliação”, que terá lugar no final deste mês, “é crucial para a vida dos portugueses”, o socialista diz que se exige “que seja uma avaliação política tendo em conta a grave situação económica e social: “A Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional devem enviar a Portugal responsáveis políticos com capacidade de decisão.”

Seguro deu conhecimento a Passos Coelho do teor da carta.