Crise demonstra que a experiência neoliberal fracassou, diz Silva Peneda

“Os consumidores não consomem, os produtores não produzem, as financeiras não financiam e os trabalhadores não têm trabalho”. É preciso tirar lições da crise, alerta o presidente do CES.

Silva Peneda considera que o actual quadro não favorece a preocupação das empresas com a sua responsabilidade social
Foto
Silva Peneda considera que o actual quadro não favorece a preocupação das empresas com a sua responsabilidade social Daniel Rocha

O presidente do Conselho Económico e Social (CES), Silva Peneda, disse nesta segunda-feira que uma das lições a tirar da crise é que a experiência neoliberal fracassou, sendo necessário privilegiar o investimento produtivo e reestruturar o sistema financeiro.

Silva Peneda, que falava na conferência “Global Compact Network Portugal” sobre a responsabilidade social das empresas, sublinhou a importância da dimensão ética, cujo afastamento no sector financeiro levou à crise.

Segundo o presidente do CES, a situação actual é exemplo de como, “com a ausência de princípios éticos, um sector pode arrastar milhares de empresas e cidadãos para um mundo de dificuldades”.

Para Silva Peneda, há lições a tirar “desta crise perfeita, em que os consumidores não consomem, os produtores não produzem, as financeiras não financiam e os trabalhadores não têm trabalho”.

O presidente do CES é peremptório a afirmar que “a época da experiência neoliberal fracassou e a suposta auto-regulação do mercado é apenas uma teoria sem qualquer correspondência com a realidade, porque o mercado não é capaz por si só de se auto-regular e daí que a intervenção dos poderes e das políticas públicas seja decisiva”.

Por outro lado, reconhece que “foi excessivo o papel desempenhado pelo sector financeiro nos últimos tempos, sendo o principal responsável pela situação gerada e por isso deve ser restruturado, tornando-o mais transparente e ao serviço da economia real”.

Considera mesmo que essa “é uma obrigação económica, política e, sobretudo, moral: há que penalizar a especulação e favorecer o investimento produtivo, ou, dito de forma simples, há que colocar o dinheiro ao serviço de quem cria riqueza e emprego”.

Revisitando as origens da crise, Silva Peneda referiu que a forma encontrada para resolver o problema gerado no sector financeiro foi “transformar os estados em gigantescas companhias de seguros, que tentaram cobrir os riscos”, o que levou a “uma clara interdependência entre a crise financeira e a intervenção do Estado que, de forma directa ou através de credores, foi transferindo para os cidadãos e para as empresas o custo de erros e imprudências cometidos pelo sistema financeiro”.

Os estados mais débeis, como Portugal, foram os primeiros a sentir as consequências, “também por causa de erros e desvarios cometidos internamente”.

O presidente do CES reconheceu que o actual quadro não favorece a preocupação das empresas com a sua responsabilidade social, mas salienta que é preciso pensar a médio prazo porque “no fim de qualquer crise nunca se regressa ao ponto de partida”.

“As empresas quando curam os aspectos que se relacionam com a sustentabilidade, integridade e relacionamento com a comunidade em que se encontram inseridas, podem acrescentar valor ao processo de inversão desta crise e ao mesmo tempo contribuir para um crescimento sustentável”, concluiu.