Berardo diz que dislexia o faz trocar o nome à mulher quando a apresenta a terceiros

Falha de memória no caso BCP. Joe Berardo diz que nunca mais fará denúncias na vida.

Foto
Berardo foi ouvido em tribunal no caso BCP Rui Gaudêncio

“Não me lembro”, repetiu esta manhã Joe Berardo, até à exaustão, a propósito das denúncias que fez em 2007 sobre práticas fraudulentas no Banco Comercial Português, de que é accionista.

O investidor foi ouvido como testemunha da acusação no julgamento em que dois antigos presidentes do BCP, Jardim Gonçalves e Filipe Pinhal, e dois ex-administradores do banco, Christopher de Beck e António Rodrigues, eram acusados dos crimes de manipulação de mercado e falsificação de documentos.

O processo foi desencadeado depois de Berardo ter entregado na Procuradoria-Geral da República, em 2007, documentação comprometedora que alegadamente lhe terá sido feita chegar por um anónimo. Mas, depois de ter na altura dado várias entrevistas sobre o assunto, o empresário vem agora alegar falta de memória para esclarecer os juízes encarregados do caso sobre o que se passou. “Se me tivessem dado as perguntas antecipadamente, tinha consultado os meus papéis”, observou, acrescentando que "a dislexia" de que sofre chega a fazê-lo trocar o nome à mulher quando a apresenta a terceiros.

Hoje, diz-se arrependido das denúncias que fez em 2007, por ter chegado a ser confundido com “um ladrão como eles”, os dirigentes do banco. “Nunca mais vou fazer denúncias a ninguém”, declarou na sala de audiências. O advogado de Berardo na altura, que o ajudou nas denúncias, tornou-se entretanto administrador desta instituição bancária.

“Pus o dinheiro no BCP, mas se tivesse sido no BPN teria sido bem pior”, ironizou o empresário, frisando que precisa do apoio dos seus advogados para se orientar no mundo financeiro e judicial, uma vez que nunca estudou para além da quarta classe.