Ministro da Economia diz que memorando original com troika não ajuda

"Portugal e a Europa precisam de ter uma política industrial mais musculada, mais forte”, disse Álvaro Santos Pereira, que lamenta que o investimento não conste do acordo.

"Precisamos de ter uma Europa industrial, precisamos de ter mais músculo competitivo", diz Santos Pereira
Foto
"Precisamos de ter uma Europa industrial, precisamos de ter mais músculo competitivo", diz Santos Pereira Daniel Rocha

O ministro da Economia defendeu esta quarta-feira, que Portugal está a “fazer tudo o que está ao seu alcance” para ultrapassar a crise, mas tem dificuldades em atrair investimento por isso ter sido ignorado no memorando original com a troika.

“É importante reiterar o facto de que Portugal está, no âmbito do seu programa de ajustamento, a fazer tudo o que está ao seu alcance para ultrapassar a situação actual (…) No entanto, é mais que evidente que o memorando de entendimento como originalmente foi concebido não tem uma componente que é essencial para nos voltarmos a crescer, e essa componente é estímulos ao investimento, os apoios ao investimento”, afirmou Álvaro Santos Pereira.

Álvaro Santos Pereira, que falava à margem de uma conferência sobre a rede transeuropeia de transportes organizada pela Comissão Europeia, sustentou que Portugal está não só a “implementar uma estratégia de consolidação orçamental e de diminuição da trajectória da dívida que, obviamente, exige bastantes sacrifícios aos portugueses”, como também a “implementar toda uma série de reformas estruturais que são essenciais” para o país regressar ao crescimento, mas faltam apoios ao investimento.

“Nós precisamos de ter investimentos em Portugal para voltar a crescer e para criarmos emprego e riqueza. Isso é necessário, é essencial, e por isso mesmo estamos a trabalhar com a Comissão, para vermos se conseguimos avançar com esse tipo de apoios, respeitando as regras comunitárias”, disse, lamentando que o memorando de entendimento original, negociado com a troika pelo anterior governo socialista de José Sócrates, não contemple tais estímulos.

Questionado sobre recentes declarações suas a lamentar as “regras fundamentalistas” de Bruxelas que constituem um obstáculo à atracção de investimento, o responsável governamental reiterou a ideia, que disse ser partilhada inclusivamente em Bruxelas.

“Essa é uma posição que não é só minha, é uma posição também de parte da Comissão. Portugal e a Europa precisam de ter uma política industrial mais musculada, mais forte”, disse.

“Não é aceitável, de maneira nenhuma, que a Europa e Portugal continuem impávidos e serenos a deixar que as suas indústrias se deslocalizem para outras partes do mundo, enquanto nós perdemos emprego e riqueza, e pensar que é à base somente de serviços ou de importação de bens mais baratos que vamos conseguir ter uma Europa mais próspera. Não vamos. Para termos uma Europa mais próspera e mais forte, precisamos de ter uma Europa industrial, precisamos de ter mais músculo competitivo, e é isso que estamos a trabalhar aqui também”, concluiu.