Presidente do BPI

Ulrich pede às Finanças para deixar de reunir com banqueiros em inglês

Ulrich diz que a presença da troika em Portugal "tem sido muito útil"
Foto
Ulrich diz que a presença da troika em Portugal "tem sido muito útil" Foto: Ricardo Brito

O presidente do BPI, Fernando Ulrich, considerou hoje “incompreensível” que o Ministério das Finanças realize reuniões em inglês com os banqueiros e defendeu que o Governo e o Banco de Portugal contratem consultores portugueses para a assessoria financeira em vez de especialistas estrangeiros.

Na apresentação de resultados semestrais do BPI, Ulrich referiu-se a reuniões de trabalho no Ministério das Finanças, que está, com o Banco de Portugal, a ser assessorado por consultores externos na área financeira.

“Ter com reuniões com o Governo em inglês é incompreensível. Nunca me tinha acontecido tal coisa”, criticou, dizendo ainda não compreender a razão de os bancos suportarem custos com a assessoria cobrados pelas autoridades portuguesas.

“Ao todo, este ano já pagámos cerca de 5,3 milhões de euros a consultores que as autoridades portuguesas escolhem para dar assessoria financeira a estas instituições, trabalho que obrigam os bancos a pagar, o que é incompreensível num contexto” em que as instituições estão a perder rentabilidade, disse.

“Andar a pagar estes milhões todos é incompreensível, como também é incompreensível ter de fazer reuniões com o Governo em inglês”, reforçou.

Ulrich pede ao ministério das Finanças e ao supervisor bancário que “utilizem menos consultores” e que, tendo necessidade de os contratar, que procurem consultores portugueses. “Nem que sejam meus concorrentes, porque assim estão a permitir que estes ganhem currículo para se poderem candidatar a outros lugares”, sustentou.

Referindo-se já à presença da troika em Lisboa no acompanhamento do programa de ajustamento, Ulrich considera que a “experiência para Portugal tem sido muito útil”.