Relatório

Fitch diz que ajustamento em Portugal é "promissor” mas prevê recessão em 2013

Número de medidas implementadas pelo Governo é "impressionante", diz a Fitch
Foto
Número de medidas implementadas pelo Governo é "impressionante", diz a Fitch Pierre-Philippe Marcou/AFP

Agência de rating mostra-se optimista sobre implementação do programa da troika, mas avisa que há vários desafios pelo caminho. Previsões económicas são piores do que as oficiais, apontando para uma contracção de 3,7% este ano e de 1,5% em 2013.

Num relatório sobre Portugal, hoje divulgado, a Fitch começa por salientar que “uma série de factores sugere que o ajustamento económico e as reformas de Portugal estão a ter um início promissor”. A agência de notação destaca, nomeadamente, o facto de o défice de conta corrente está a diminuir e que o país está a implementar o programa de reformas acordado com a troika.

No entanto, avisa a Fitch, há vários desafios no horizonte, desde logo a deterioração do cenário macroeconómico. A queda mais acentuada da procura interna levou a agência a rever em baixa as suas previsões para a economia nacional, projectando que o Produto Interno Bruto (PIB) nacional contraia 3,7% este ano. Um valor que compara com os 3% previstos pelo Governo e os 3,3% admitidos pela Comissão Europeia.

Para o próximo ano, as perspectivas da Fitch são, também, significativamente mais negativas do que as do Governo e da troika. Enquanto estes prevêem que a economia portuguesa já esteja a crescer em 2013, a agência de notação mantém um cenário de recessão, projectando uma contracção de 1,5% do PIB.

“O cenário económico mais fraco desafia o plano de redução do défice do Governo”, diz a Fitch, avisando que “o risco de derrapagem em relação às metas orçamentais é grande”. Ainda assim, considera a empresa, é possível que o Governo cumpra a meta deste ano, que aponta para um défice orçamental equivalente a 4,5% do PIB. Nas suas últimas previsões, divulgadas na semana passada, a própria Comissão Europeia projecta uma derrapagem no défice, que deverá atingir os 4,7% este ano.

Outro desafio de peso vem da implementação das reformas estruturais. Embora a agência considere que o número de medidas já implementadas “é impressionante”, tendo em consideração o ambiente macroeconómico e as reformas implementadas noutros países europeus, destaca que o país ainda não conseguiu responder à prometida liberalização dos mercados de serviços.

A Fitch salienta ainda que há uma série de factores que permitem manter um “optimismo prudente” sobre os progressos de Portugal, com destaque para o compromisso político quanto à implementação do programa da troika, os sinais precoces de ajustamento do défice externo e a coesão social. A empresa continua a considerar que é muito provável que Portugal receba um novo pacote de ajuda, caso não consiga regressar aos mercados no segundo semestre de 2013, tal como está previsto no programa da troika.

Sugerir correcção