Japão

Detectada fuga de 12 toneladas de água radioactiva em Fukushima

As autoridades decretaram uma zona de exclusão num raio de 20 quilómetros em redor da central
Foto
As autoridades decretaram uma zona de exclusão num raio de 20 quilómetros em redor da central Kyodo/Reuters

Os funcionários da central nuclear de Fukushima, no Japão, detectaram nesta quinta-feira de manhã uma fuga de cerca de 12 toneladas de água radioactiva, que terá chegado ao mar.

A fuga foi detectada numa conduta ligada a um tanque com água radioactiva. É aqui que se faz a descontaminação da água usada para arrefecer os reactores. Este líquido, muito radioactivo depois de passar por um reactor, é descontaminado naquele tanque e normalmente volta a ser injectado no sistema de arrefecimento.

Mas agora, algo não está a funcionar bem. “Os nossos responsáveis confirmaram que a água que faz o arrefecimento escapou de uma das condutas”, explicou um porta-voz da Tepco (Tokyo Electric Power Company), que gere a central de Fukushima. Parte da fuga de água, com elevados níveis de estrôncio radioactivo, terá chegado ao mar, admitiu.

Segundo a estação nipónica NHK, os funcionários da central fecharam as válvulas do sistema e o circuito da água parou meia hora depois.

A fuga já terá sido reparada e de momento a Tepco procura saber qual a quantidade exacta de água derramada no Oceano Pacífico, através de uma fossa.

Esta não é a primeira vez que isto acontece. A 26 de Março, cerca de 120 toneladas de água radioactiva escaparam do sistema de descontaminação e 80 litros terá chegado ao mar.

Em Dezembro, o Governo japonês anunciou que a temperatura no interior dos vasos de contenção dos reactores estava abaixo dos 100ºC. Esta foi uma boa notícia que prova a estabilização da central, depois do acidente causado por um tsunami a 11 de Março de 2011.

Fukushima foi o pior desastre nuclear desde Tchernobil, na Ucrânia, em 1986. Milhares de pessoas foram obrigadas a sair das suas casas por razões de saúde e foi decretada uma zona de exclusão num raio de 20 quilómetros em redor da central. A radioactividade contamina os solos da região.