Prémio Nobel em Portugal

Stiglitz defende o contrário do que quer a Europa: menos austeridade, mais investimento

Stiglitz diz que não vê saída para o fim da actual situação económica em Espanha e na Grécia
Foto
Stiglitz diz que não vê saída para o fim da actual situação económica em Espanha e na Grécia Foto: Nuno Ferreira Santos

Não é raro ouvi-lo criticar as políticas de austeridade adoptadas na zona euro. E o alerta que repetiu nos últimos dias é um sério aviso à espiral recessiva que diz deixar a Europa à beira do caos. Joseph Stiglitz, Nobel da Economia em 2001, um olhar um tanto pessimista sobre o futuro europeu, fala nesta quarta-feira em Lisboa, no IV Congresso da Distribuição Moderna, depois de uma série de apelos recentes a um pensamento menos conformista com a austeridade na gestão da crise.

“A austeridade como solução é simplesmente [uma política] errada” para a Europa superar a crise, afirmou ainda nesta terça-feira numa entrevista à Bloomberg, repetindo o argumentário que fora na véspera apresentar num fórum financeiro em Hong Kong.

Professor na Universidade de Columbia, antigo vice-presidente do Banco Mundial, actual presidente da Associação Económica Internacional, o economista norte-americano tem insistido recentemente contra uma política de combate à crise apenas centrada na austeridade, que diz ser um caminho insustentável.

Quando os líderes europeus acertam detalhes para finalizarem um pacto que reforça a disciplina orçamental na zona euro – alargado voluntariamente aos países da União Europeia –, Stiglitz diz que a direcção que a Europa está a tomar é a errada.

É um assumido partidário das posições keynesianas. O que propõe é exactamente o contrário dos repetidos apelos à redução orçamental na eurolândia: o aumento da despesa pública, com investimento público como motor de um efeito de multiplicação orçamental.

Se, pelo contrário, os líderes da zona euro insistirem na fórmula da austeridade, é previsível uma grave recessão, sustenta. Ainda há dias defendia que, mesmo se o reforço das regras orçamentais e a austeridade possam prevenir a próxima crise, estas medidas “não são a solução para a crise actual”.

Stiglitz, que no Banco Mundial exerceu também o cargo de economista-chefe, diz ser urgente repensar a arquitectura financeira global – e isso exige regulação e transparência. Há duas razões essenciais que o justificam: por um lado, porque o mundo moderno só viveu um período de estabilidade financeira (no pós-crise de 1929); por outro, porque só com transparência porá fim à turbulência nos mercados financeiros.

Sobre a Europa, o economista tem um olhar profundamente pessimista – acredita ser quase inevitável o desaparecimento do euro.

Escrevia num artigo de Dezembro, passando em revista o ano de 2011, “o ano do pessimismo racional”: “É provável que os problemas económicos e políticos que se manifestaram nos Estados Unidos e na Europa em 2011 – e que foram terrivelmente mal geridos até agora – só piorem em 2012”.

Será o ano de todos os perigos, como resumia num outro texto. As hesitações sobre o futuro da Grécia e a escolha da austeridade pelos principais países da moeda única, considera, “custaram caro à Europa no último ano”. E continua: “A Itália foi tocada pelo contágio. Em Espanha, o desemprego que já se encontrava nos 20% no início da recessão, continuou a aumentar. O impensável – o fim do euro – começou a tornar-se uma possibilidade real”.

Stiglitz fala hoje às 12h no congresso da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição, que terá ainda o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, a encerrar os trabalhos, no Museu do Oriente.