Liga

Dois sustos numa vitória fácil do FC Porto

Hugo com Álvaro Pereira, durante o jogo em Aveiro
Foto
Hugo com Álvaro Pereira, durante o jogo em Aveiro Foto: Luís Efigénio/NFactos

A exibição foi q.b., a vitória conquistada com justiça (2-1), mas duas falhas da defesa portista podiam ter custado ao FC Porto a perda de dois pontos em Aveiro. O Beira-Mar marcou primeiro, mas o susto para os “azuis e brancos” durou apenas seis minutos até James voltar a empatar. Na segunda parte, os “dragões” chegaram com naturalidade ao segundo golo, mas, na última jogada, uma perdida escandalosa de Élio podia ter dado o empate aos aveirenses.

Após três jogos consecutivos (Shakhtar, Sp. Braga e Zenit) a repetir o mesmo “onze”, Vítor Pereira foi obrigado a mexer na equipa. O treinador afirmou na antevisão da partida de Aveiro que, nesses jogos, os jogadores transmitiram-lhe “confiança, qualidade e solidariedade táctica e emocional”, por isso Maicon voltou a jogar na direita da defesa (Fucile e Sapunaru nem foram convocados) e Hulk continuou no centro do ataque. Sem Defour, que se lesionou contra o Zenit, Belluschi voltou a formar uma sociedade no meio-campo com Fernando e Moutinho. Com a entrada do argentino, o trio da frente do FC Porto teve mais apoio. A contínua aposta em Maicon é que é mais difícil de compreender, já que a equipa fica “curta” do lado direito.

No Beira-Mar nada de novo: Rui Bento repetiu o “onze” que venceu a Académica, em Coimbra, na última jornada. Com uma defesa segura (apenas seis golos sofridos antes da partida contra os “dragões”), os aveirenses apostaram num 4x1x3x2 onde os velocistas Nildo e Artur tinham lugar de destaque, mas o jogo deste sábado confirmou que este Beira-Mar tem poucas soluções ofensivas.

Os primeiros minutos foram mornos, mas após o primeiro quarto de hora o FC Porto assumiu uma atitude autoritária e as jogadas de perigo começaram a surgir junto à baliza defendida por Rui Rego. Aos 21’, Djalma reclamou grande penalidade num lance dividido com Pedro Moreira e, poucos segundos depois, Hulk falhou uma boa oportunidade. O FC Porto dominava, o Beira-Mar defendia como podia e, em apenas dois minutos (25’ e 26’), Rui Rego fez duas grandes defesas a remates de James e Belluschi.

O golo dos campeões nacionais parecia iminente, mas foi o Beira-Mar que marcou num lance de bola parada, aos 34’: Cristiano colocou a bola na área e o chinês Zhang, entre Maicon e Rolando, ganhou de cabeça e fez o 1-0. Primeiro erro da defesa “azul e branca” e o Beira-Mar colocava-se na frente.

Por momentos a equipa portista pareceu abalada, mas rapidamente se recompôs do susto e James, seis minutos depois, restabeleceu a igualdade com um remate colocado de fora da área.

Com o Beira-Mar apenas preocupado em defender e sem soluções para incomodar a defesa do FC Porto, a equipa de Vítor Pereira entrou melhor no segundo tempo. Hulk deu o primeiro sinal de perigo aos 53’ e, pouco depois, caiu na área. O brasileiro ficou a pedir penálti, os jogadores do Beira-Mar o segundo amarelo ao avançado por simulação. Na jogada seguinte surgiu o 2-1: grande assistência de Álvaro Pereira e Hulk, com o pé esquerdo, rematou cruzado para o fundo da baliza.

Ainda restava mais de meia-hora, mas, em vantagem, o FC Porto baixou o ritmo e o Beira-Mar, sem soluções ofensivas, limitava-se a ver jogar. Sem serem incomodados, os portistas facilitaram novamente na defesa e, no último minuto de descontos, após um mau alívio de Maicon, Élio falhou o desvio para a baliza que se encontrava completamente deserta.

Positivo

James Rodríguez


Ainda não esteve ao nível da época passada, mas conseguiu provocar desequilíbrios e foi dos melhores na equipa do FC Porto. Com o eclipse de Varela, o extremo colombiano é fundamental na estratégia de Vítor Pereira.


Álvaro PereiraO defesa uruguaio vai sendo a excepção numa defesa que se tem pautado pela mediocridade. Fez uma excelente assistência para Hulk e, ao contrário de Maicon, dá profundidade à equipa.

Rui RegoO guarda-redes do Beira-Mar fez o que podia e adiou ao máximo a reviravolta “azul e branca” no marcador.

Negativo

Maicon


Vítor Pereira insiste em colocá-lo no lado direito e, com isso, pode estar a “queimar” o defesa central. Não atacou e esteve mal a defender.


Ataque do Beira-MarNão é por acaso que o Beira-Mar é o pior ataque da Liga. Sem alternativas a Douglas, Élio e Balboa foram soluções de recurso.

Ficha de jogo

Beira-Mar,


1

FC Porto,


2

Jogo no Estádio Municipal de Aveiro. 
Assistência
cerca de 5000 espectadores

Beira-Mar

Rui Rego, Pedro Moreira, Yohan Tavares, Hugo (Bura, 50’), Joãozinho, Nuno Coelho, Zhang, Artur (Élio, 76’), Nildo, Cristiano e Douglas (Balboa, 63’).

Treinador

Rui Bento.

FC Porto

Helton, Maicon, Otamendi, Rolando, Álvaro Pereira, Fernando, João Moutinho, Belluschi (Varela, 79’), Djalma (Souza, 74’), James Rodríguez e Hulk (Iturbe, 90+2’).

Treinador

Vítor Pereira.

Árbitro

Carlos Xistra, de Castelo Branco.


Amarelos

Pedro Moreira (12’), Hulk (35’), Zhang (41’), Balboa (68’), João Moutinho (68’), Cristiano (79’) e Maicon (90’).

Golos

1-0, por Zhang, aos 34’; 1-1, por James Rodríguez, aos 40’; 1-2, por Hulk, aos 59’.

Notícia actualizada às 21h53