Caso BPN

Venda da casa no Algarve entre razões da detenção de Duarte Lima

O juiz Carlos Alexandre
Foto
O juiz Carlos Alexandre Foto: Daniel Rocha

O advogado Duarte Lima foi ontem detido por suspeita de burla qualificada, branqueamento de capitais e fraude fiscal. Haveria o risco de fuga do país, o que o seu advogado desmente.

Foi o juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal, Carlos Alexandre, quem emitiu os mandados de detenção de Duarte Lima, do seu filho Pedro, e do mandado de busca do ex-deputado do PSD Vítor Raposo que foram ontem alvo de diversas buscas domiciliárias e em escritórios ligados aos seus negócios. Duarte Lima é suspeito de burla qualificada, branqueamento de capitais e fraude fiscal.

A polícia realizou ontem e anteontem mais de uma dezena de buscas na zona da Grande Lisboa, Porto e Algarve. O anúncio da venda da casa que o antigo líder parlamentar do PSD construiu na Quinta do Lago, que estará a cargo de uma imobiliária inglesa e registada num offshore, foi um dos motivos que levaram o juiz Carlos Alexandre a concordar com a detenção de Duarte Lima, suspeito de estar a tentar desfazer-se de parte do seu património no país. Outro dado considerado relevante foi o facto de o ex-deputado não ser visto em público há algumas semanas, o que indiciaria que se estava a esconder e, eventualmente, a preparar uma fuga.

Duarte Lima e o filho começam a ser ouvidos hoje no Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, a partir das 9h30, não sendo ainda conhecida a ordem da audição.

O ex-deputado é suspeito de ter usufruído directamente ou através de testas de ferro de vários créditos no valor de mais 40 milhões de euros, obtidos com garantias bancárias de baixo valor.

Leia mais no PÚBLICO de hoje e na edição online exclusiva para assinantes.