Perdão da dívida grega merece destaque na imprensa europeia

Foto
Financial Times relata a luta travada para chegar a um acordo PÚBLICO

Em Espanha, o El País dá destaque à recapitalização dos bancos que, segundo a Autoridade Bancária Europeia (EBA), vão precisar de 26 mil milhões de euros para cumprir os rácios agora exigidos.

O diário espanhol adianta ainda que, deste valor, as duas maiores instituições (Santander e BBVA) representam 82%. No entanto, os dois bancos já vieram descartar a possibilidade de recorrem aos fundos públicos de recapitalização.

No mesmo dia, o El País dá conta da desconfiança em redor das reformas económicas em Itália que, segundo o jornal, estão a criar um impasse na zona euro, perante o risco de contágio da crise a este país.

Em França, o Le Monde destaca o optimismo face ao acordo europeu que considera “favorável para os mercados”. Além disso, o jornal francês dá atenção ao “compromisso japonês”, assumido pelo ministro das Finanças do país. “Temos todo o interesse em manter a Europa estável e tomaremos as medidas necessárias, no momento adequado”, disse Jun Azumi, ministro das Finanças japonês desde Setembro deste ano.

Desde o início do ano, o Japão já investiu 2,68 mil milhões de euros, o equivalente a 20% do total dos empréstimos emitidos pelo Fundo de Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF).

Já os jornais alemães, nas suas edições electrónicas, dão maior importância ao perdão de 50% da dívida grega, ao aumento do fundo de resgate para um bilião de euros e a recapitalização dos bancos europeus.

O Financial Times Deutschland diz mesmo que os “bancos europeus vão ter de sangrar pela Europa”. Já o Die Welt resume as decisões europeias com uma metáfora: “corte da dívida, poder de fogo e almofada contra o risco”. O diário dirige-se à Grécia, ao reforço do fundo de resgate e à recapitalização obrigatória dos bancos, que terão de aumentar os seus capitais para 9% até Junho de 2012, resume a agência Lusa.

O Sueddeutsche Zeitung é o único alemão que destaca a reacção positiva dos mercados financeiros asiáticos e o Handelsblatt dá mesmo conta de um “avanço histórico”, referindo-se desta forma ao perdão de metade da dívida grega.

Por último, no Reino Unido, o The Guardian fala no seu site nos “festejos dos mercados depois do perdão de 50% da dívida da Grécia”. No editorial, o jornal afirma que “os inevitáveis compromissos e discussões em Bruxelas permitem que a Cimeira seja retratada (…) como um chuto na lata para a frente”, noticia a Lusa.

Por seu lado, o Daily Telegraph deixa uma espécie de manual para que o primeiro ministro David Cameron possa lidar com a situação da zona euro. Em declarações a este jornal, a deputada conservadora Gisela Stuart deixa mesmo um aviso a Cameron: “Por mais tempo que pense que as coisas vão tomar, multiplique por três. Europa não tem pressa”.

Já o Financial Times decidiu destacar a “luta por um acordo” a que se assistiu nas últimas semanas e a resistência dos bancos em perdoar parte da dívida grega, que acabou por não dar frutos, refere a Lusa.