O filme, que junta Steven Spielberg, Peter Jackson (o produtor) e Tintin, é uma das mais aguardadas estreias do ano DR
Foto
O filme, que junta Steven Spielberg, Peter Jackson (o produtor) e Tintin, é uma das mais aguardadas estreias do ano DR

Como se Tintin fosse um jovem Indiana Jones

Filme de Steven Spielberg estreia em mais de uma centena de salas de Portugal no dia 27 de Outubro

“As aventuras de Tintin: O segredo do Licorne”, o filme com o qual Steven Spielberg cumpre um sonho antigo, e que coloca o intrépido repórter quase no papel de um Indiana Jones, teve ante-estreia no sábado, em Bruxelas.

O filme só terá estreia comercial na próxima semana, em vários países da Europa, incluindo Portugal, onde será exibido a partir do dia 27 em mais de uma centena de salas de cinema.

Aos Estados Unidos e Canadá só chegará no final do ano, por altura do Natal. “As aventuras de Tintin: O segredo do Licorne” já teve várias exibições especiais, mas no sábado foi mostrado em Bruxelas, cidade fortemente marcada pela banda desenhada, sendo esperadas as presenças dos protagonistas do filme, assim como a do realizador, Steven Spielberg.

PÚBLICO -
Foto
A pós-produção do filme durou mais de um ano DR

Três livros adaptados

PÚBLICO -
Foto
O imaginário criado por Hergé foi completamente adaptado DR

Considerada uma das grandes estreias da temporada cinematográfica internacional - quanto mais não seja por juntar Spielberg, Peter Jackson (o produtor) e Tintin -, o filme adapta para cinema três álbuns de BD de Hergé: “O segredo do Licorne”, “O caranguejo das tenazes de ouro” e “O tesouro de Rackham, o terrível”, publicados originalmente entre 1945 e 1946.

A expectativa é por causa da adaptação visual de todo o imaginário criado por Hergé. O filme foi rodado com actores de carne e osso, como Jamie Bell, que interpreta Tintin, Andy Serkis, o Capitão Hadock, e Daniel Craig, o pirata Red Rackam, mas o que surge no ecrã é um filme de animação.

Steven Spielberg e Peter Jackson demoraram mais de um ano no trabalho de pós-produção do filme, na transposição dos movimentos reais dos actores para animação. Visualmente, o filme é exemplar, sobretudo nos cenários, que parecem reais, embora na expressão facial de Tintin falte alguma vida, como escreveram já vários meios de comunicação social europeus que assistiram a projecções para a imprensa.

Quem leva nota máxima é o emotivo e resmungão capitão Haddock, interpretado por Andy Serkis. Com menos de duas horas de duração, o filme tem muita acção e a história desenrola-se com sucessivas aventuras e perseguições, como se Tintin fosse um jovem Indiana Jones.

Um sonho concretizado

Aliás, foi o próprio Steven Spielberg que admitiu a ligação entre o jovem repórter e o experiente arqueólogo, uma vez que o realizador se tornou fã da obra de Hergé nos anos 1980, quando preparava as aventuras de Indiana Jones. A adaptação da banda desenhada de Tintin para cinema é, por isso, um sonho antigo de Spielberg.

Nos anos 1980, o realizador ainda chegou a marcar um encontro com Hergé, mas o autor belga morreu sem que Spielberg tivesse conseguido garantir a compra dos direitos. Só em 2006, depois de longas negociações, é que a viúva de Hergé autorizou a adaptação. Todo este tempo de espera - durante o qual outras adaptações foram surgindo para cinema e televisão - serviu para um desenvolvimento da tecnologia cinematográfica, que permite agora a Steven Spielberg alegar que se mantém mais próximo e fiel da obra de Hergé.

A versão portuguesa de “As aventuras de Tintin: O segredo do Licorne” contará com as vozes de Simon Frankel (Tintin), Nuno Markl e Rui Unas (Dupont e Dupond), Luís Mascarenhas (Capitão Haddock), Pepe Rapzote (Sakharine e Rackam) e Rita Blanco (Bianca Castafiore).