Taxas a dois anos a caminho dos 18 por cento

Juros da dívida batem novos máximos e taxas a três anos já superam os 19%

Portugal fez hoje uma emissão de dívida abaixo do valor esperado
Foto
Portugal fez hoje uma emissão de dívida abaixo do valor esperado Pedro Cunha

O corte da nota de risco da dívida portuguesa pela agência Moody's arrastou os países periféricos da zona euro para fortes subidas nos mercados secundários. Os juros da dívida portuguesa continuam a registar novos máximos em todas as principais maturidades. As obrigações a três anos já passam os 19 por cento.

Ao início da noite desta quarta-feira, os investidores exigiam 19,142 por cento de juros sobre as transacções (ou intenções de transacções) das Obrigações de Tesouro que vencem daqui a três anos.

Ao ultrapassarem esta barreira, as taxas de juro registadas nos mercados de recompra de dívida subiram mais de cinco pontos percentuais em relação a ontem, quando estavam nos 14,069 por cento.

De acordo com os dados do terminal da Reuters, a maior subida foi observada nesta maturidade e, à excepção da taxa de referência (a de dez anos), as restantes principais taxas cresceram acima de três pontos percentuais.

As fortes subidas para os níveis mais altos desde a criação da moeda única acontecem num dia com duplo significado negativo para Portugal.

Por um lado, os mercados reagiram ao corte comunicado ontem pela agência norte-americana Moody’s, que colocou a dívida portuguesa num patamar considerado lixo por considerar que Portugal arrisca percorrer o mesmo difícil caminho do que a Grécia para resolver o problema da sua dívida soberana. E isso foi visível a partir do meio da tarde de ontem, acentuando, durante a madrugada, uma escalada que ao longo do dia se tornou evidente.

Por outro, as subidas coincidem com a emissão de dívida do Estado, que acabou por confirmar, nest cenário, a esperada subida dos juros sobre um empréstimo a três meses e abaixo do valor pretendido.

Nos mercados secundários, as Obrigações do Tesouro a dois anos dispararam para 17,88 por cento (estavam ontem nos 13,511 por cento) e para esse limiar caminham os juros a cinco anos, que, ao escalarem 3,521 pontos percentuais, estão agora nos 16,611 por cento.

Apesar de uma subida mais modesta comparada com as restantes subidas do dia, os juros a dez anos bateram também um novo recorde histórico desde que existe o euro.

Não só chegaram aos 13,062 por cento – ultrapassadas pelas maturidades de cinco, dois e três anos (o que não é uma novidade) – como encurtaram a distância em relação às maturidades de um ano (ontem, a diferença era de 2,392 pontos percentuais, hoje, não chegava a um ponto percentual).

Nos periféricos da zona euro – os mais penalizados nos mercados secundários – Itália, Grécia e Espanha registavam subidas nos principais prazos. Mas nenhum destes dois últimos países batiam recordes, como sucede com Portugal.