Defesa critica investigação

Processo Portucale: Arguidos declaram-se inocentes e endereçam culpas ao Estado

Abel Pinheiro (à esquerda), com Nobre Guedes e Telmo Correio
Foto
Abel Pinheiro (à esquerda), com Nobre Guedes e Telmo Correio Pedro Cunha (arquivo)

Os 11 arguidos do processo Portucale, que hoje, no Campus da Justiça, em Lisboa, começaram a responder pelos crimes de tráfico de influências e falsificação de documentos, declararam-se inocentes de todas as acusações imputadas.

A estratégia dos defensores passa por criticar a investigação e endereçar culpas ao Estado que, no seu entender, passou 17 anos para tentar resolver o licenciamento do projecto urbanístico e turístico do local, próximo de Benavente, onde foram abatidos quase um milhar de sobreiros para dar início à obra

Abel Saturnino Pinheiro, administrador do Grupo Grão Pará e ex-membro da comissão executiva do CDS que procedeu, em 2004, à recolha de donativos para o partido, foi o primeiro dos arguidos a depor. Começou por dizer ao tribunal que, quando foi detido, “fui exibido na cidade de Lisboa como um urso”, numa clara alusão à propaganda que, no seu entender, se fez em torno da investigação.

Depois, confirmou que foi contactado por José Manuel Sousa, ligado ao Grupo Espírito Santo, para interceder junto dos ministros Costa Neves, Nobre Guedes e Telmo Correia, respectivamente com os pelouros da Agricultura, Ambiente e Turismo, para darem despacho favorável ao processo de licenciamento do empreendimento da Herdade da Vargem Fresca. A razão, segundo disse, era simples: o Governo ia cair e, seguindo a regra, quem viesse a seguir poderia inviabilizar mais uma vez um projecto que já se arrastava há 17 anos.

O julgamento, onde todos os arguidos manifestaram a intenção de prestar declarações, prossegue durante todo o dia da próxima quarta-feira.