Hotelaria registou as primeiras quebras desde Julho

Apenas duas regiões escaparam às quebras de Novembro

Madeira mantém tendência de quebra registada em 2010
Foto
Madeira mantém tendência de quebra registada em 2010 Foto: PÚBLICO/Arquivo

Lisboa e Centro foram as únicas que tiveram aumentos de dormidas e proveitos. Madeira continua a ser a região mais penalizada.

As quebras registadas na hotelaria nacional em Novembro, de 0,1 por cento nas dormidas e de 0,4 por cento nos proveitos, só passaram ao lado de três regiões: Lisboa e Centro.

Na capital, houve um aumento de 3,7 por cento no número de estadias, passando de 524 mil para 545 mil dormidas, face a Novembro de 2009. Nas receitas, a subida também foi de 3,7 por cento, consagrando Lisboa como líder regional nas poucas subidas registadas pelos hotéis portugueses.

Também o Centro do país melhorou o desempenho, verificando-se um incremento de 0,8 por cento nas estadias e de 5,5 por cento nos proveitos.

Apenas estas duas regiões escaparam às quebras do sector, em Novembro. As restantes apresentaram todas descidas, ao nível das estadias e das receitas.

A mais penalizada foi a Madeira, dando seguimento a uma tendência de quebra que se verificou ao longo de 2010, mesmo quando todas as regiões entraram em modo de recuperação, a partir de Julho.

O arquipélago, que foi muito afectado no ano passado pelo temporal de Fevereiro e as restrições aéreas impostas por causa das cinzas vulcânicas, assistiu a uma descida de 5,1 por cento nas dormidas e de 5,4 por cento nos proveitos.

O mesmo se passou com os Açores, que registou uma quebra de 1,5 por cento nas estadias e de 9,9 por cento nas receitas, e no Algarve (1,6 e 5,7 por cento, respectivamente).

Também o Norte do país foi contagiado pelo abrandamento registado em Novembro, o primeiro desde Julho do ano passado, assistindo a uma descida de 0,5 por cento no número de dormidas e de 1,6 por cento nos proveitos totais.