Situação longe de “dramática”

Trânsito é o principal responsável pelo ruído na cidade do Porto

A Câmara deu início ao Plano Municipal de Redução do Ruído
Foto
A Câmara deu início ao Plano Municipal de Redução do Ruído Paulo Pimenta (arquivo)

O tráfego automóvel é o principal responsável pelo ruído na cidade do Porto, mas os seus “níveis não são excessivos” e a situação está longe de ser “dramática”, revela um estudo efectuado pela autarquia.

No Mapa do Ruído da cidade, que será apresentado terça-feira em reunião de Câmara, é possível perceber quais os pontos mais críticos e aqueles que não levantam problemas de maior. “A envolvente ao Hospital de São João e cemitério de Paranhos, a envolvente à Via de Cintura Interna e Circunvalação, a Via Norte, Via AEP e Nó da A3/A4 assim como a Avenida da Boavista, Marechal Gomes da Costa, rua de Campo Alegre e marginal do Douro e ainda a ligação Campanhã - Ponte de São João - São Bento, esta última devido ao comboio, são as zonas de maior sobreexposição”, disse Álvaro Castello-Branco, vice-presidente da autarquia e responsável pelo pelouro do Ambiente.

Estes mapas são cadastros do ruído da cidade e identificam os barulhos tanto de noite como de dia. O limite máximo para a noite é de 55 decibéis e de 65 para o período diurno.

Autarquia quer reduzir o ruído na cidade

Os níveis, apesar de “não recomendados, não são alarmistas”, existindo já, por parte da autarquia, ideias para reduzir ainda mais o ruído na cidade. “Durante a noite, cerca de 40 por cento da população é atingida por níveis não recomendados e, de dia, cerca de 26 por cento”, explicou.

“Olhando para o mapa, percebe-se perfeitamente que o grande causador do ruído é o tráfego automóvel. No sentido de se tentar reduzir este problema, poderá limitar-se a velocidade, assim como o tráfego de veículos pesados. Além disso, a mudança de pavimento em alguns locais também poderá ser uma alternativa”, revelou o vereador.

De acordo com Castello-Branco, será necessária uma “coordenação com vários actores, como a REFER, STCP ou Estradas de Portugal”.

De acordo com o Mapa de Ruído, “existem interiores de quarteirão com níveis de silêncio ou conforto acústico surpreendentes para uma cidade com a dimensão do Porto e que interessa preservar”.

O parque da Cidade apresenta níveis ligeiramente altos, devido ao ruído provocado pelos aviões.

Uma vez concluído este estudo, a Câmara do Porto deu início ao Plano Municipal de Redução do Ruído, que pretende aumentar o conforto acústico.

A Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto vai ser parceira da Câmara neste projecto, à semelhança do que já tem acontecido em outros domínios do ruído urbano.

Sugerir correcção