Ler devagar

Todos os tópicos

Há cinco anos, André Magalhães trocou a jaleca pela boina e abriu uma taberna no Chiado quando o Chiado piscava o olho às elites gastronómicas. Chamou-se a si mesmo taberneiro e trabalha para enaltecer a qualidade dos produtos e sabores tradicionais.

  • Há cinco anos, André Magalhães trocou a jaleca pela boina e abriu uma taberna no Chiado quando o Chiado piscava o olho às elites gastronómicas. Chamou-se a si mesmo taberneiro e trabalha para enaltecer a qualidade dos produtos e sabores tradicionais.

  • Ao recuperarem as referências que primeiro lhes colocaram uma guitarras nas mãos, André Fernandes, Nuno Costa e João Firmino deram uma folga ao jazz para montarem três grupos de pop/rock: Spill, Saga Cega e Cassete Pirata. Mais do que brincadeiras pontuais, três bandas a pedir justa atenção.

  • Os Downtown Boys estão de regresso aos discos com Cost of Living. Um grito de combate e resistência contra o colonialismo e o imperialismo norte-americano, com um pulsar de esperança. Nesta América de hoje que é também a América do passado, eles estão prontos para fazer barulho.

  • O festival que nasce de um “impulso” de um grupo de jovens transformou-se na bandeira de uma vila que ao longo das 25 edições foi crescendo com o evento.

  • O tempo consome figuras e os espaços, tudo a desaparecer em A Vida de uma Mulher. Passa-se no século XIX, adapta Guy de Maupassant, mas afinal são impressões de uma vida igual à nossa: não há épocas para a violência do mundo.

  • Viagem. Que palavra é esta para quem nunca separou esta experiência da literatura? É movimento e um fascínio pelo azul, o azzurro italiano, a vontade de apanhar um avião ao ver um documentário, ou as lágrimas numa paisagem da Úmbria. Entrevista com António Mega Ferreira.

  • Os cinco pavilhões construídos no Parque de Serralves inauguram uma nova relação do museu com a arquitectura.

  • Com a encomenda de cinco pavilhões temporários a jovens escritórios do Porto, Serralves confronta-nos com uma novíssima geração nascida nos anos 1980 e que começou a trabalhar no auge da crise. Quem são e o que fazem estes novos protagonistas da arquitectura do Porto?

  • Vasculha jornais, arquivos, bibliotecas. Ouve relatos em bancos de jardins. Aos 37 anos, Marco Pereira tem sete livros publicados. Todos sobre Estarreja e Murtosa. Uma busca pela sua identidade

  • A Antígona inicia a publicação da obra do escritor urugaio Eduardo Galeano. São seis livros até ao final de 2018. Depois do canónico de esquerda As Veias Abertas da América Latina, segue-se O Caçador de Histórias, fragmentos de uma vida feita a jogar conversa fora, como quis que fosse.