Ana Quintans foi uma Galatea ideal, pela beleza do timbre, notável elegância de estilo, primorosa dicção e pronúncia do inglês e minuciosa atenção às nuances expressivas.

  • Ana Quintans foi uma Galatea ideal, pela beleza do timbre, notável elegância de estilo, primorosa dicção e pronúncia do inglês e minuciosa atenção às nuances expressivas.

  • O tempo da memória, dos sonhos, dos traumas: Show Room, por Los Carpinteiros.

  • As composições do guitarrista Afonso Pais ganham vida na voz ampla de Rita Maria.

  • No centro de Jackie, as dificuldades de uma actriz em encontrar o seu "boneco" - na verdade, é o único (e involuntário) obstáculo do filme; e não é seguro que haja personagem.

  • Tal como uma filha é desafiada por um pai com a pergunta “Que tipo de ser humano és tu?”, podemos perguntar à longa-metragem de Maren Ade, Toni Erdmann, se no menino querido da crítica mais hipster não se esconde, afinal, uma sitcom.

  • Óptimo actor, Denzel Washington é mais limitado como cineasta, e Vedações nunca encontra a forma ideal de lidar com a origem teatral do material que trabalha.

  • Os Olhos da Minha Mãe é uma homenagem, cheia de pose, à aristocracia cinematográfica do gótico e do macabro - cheia de pose, e cheia de mais coisa nenhuma.

  • Duas experiências estéticas de altíssimo nível, tendo como traço de união a proeminência do violoncelo.

  • Retrato verrinoso dos últimos anos do colonialismo britânico no Oriente, a partir da experiência biográfica do autor, não deixa de ser um romance. Romanesco e tudo.

  • Gaye Su Akyol tornou-se o nome obrigatório em todas as (muitas) listas que pululam pela internet de nomes a ter em conta na nova música turca.

O Público faz anos e o presente é para si! Saiba mais