Um café antes do almoço de domingo pode ser o pretexto para conhecer as árvores de Lisboa. E as escolas também podem ajudar: o Liceu Passos Manuel dá o primeiro passo já neste Verão.

  • Um café antes do almoço de domingo pode ser o pretexto para conhecer as árvores de Lisboa. E as escolas também podem ajudar: o Liceu Passos Manuel dá o primeiro passo já neste Verão.

  • A paisagem florestal nacional que conhecemos tem leves resquícios do que já foi. Para trás, muito para trás, ficou um cenário que hoje apenas visitamos nas ilhas. Depois foram os Quercus, que compuseram o que agora se designa como floresta autóctone. Mas, pela mão do homem, tudo mudou e hoje o passado convive com novos visitantes, uns mais desejados que outros, uns mais nefastos que outros. Eis as espécies indígenas do país.

  • Decorrem entre Maio e Novembro cinco visitas guiadas pelas "árvores mais imponentes da cidade" nos Jardins do Palácio de Cristal, Cedofeita, Campanhã e Santo Ildefonso, Arrábida e Campo Alegre.

  • Vinte e seis árvores da Avenida Guerra Junqueiro e da Praça de Londres estão marcadas para abate, o que indignou cidadãos e comerciantes. A câmara diz que "provavelmente" não serão abatidas todas.

  • O projecto das 100 mil árvores tem para adopção cerca de 20 hectares de árvores nativas. As empresas podem pagar 950 euros por ano e ajudar a manter um hectare livre de espécies invasoras.

  • As obras da barragem do Alqueva abriram uma oportunidade única para que fossem abatidas centenas de árvores e testar um método de datação das oliveiras milenares.

  • Já arrancou o projecto da Câmara do Porto de plantar até 2021 dez mil árvores em vários pontos dos eixos principais da cidade.