A “vergonha” continua a ser o maior obstáculo para tratar a disfunção eréctil

Com um aumento da doença em todas as faixas etárias, quer por causas físicas, quer por psicológicas, o pedido de ajuda, seja a um urologista ou a um psicólogo, continua a ser evitado.

Foto
Catarina Lucas defende que é essencial derrubar as “crenças desajustadas de virilidade”, retirando “a pressão sobre a penetração” @felipepelaquim/Unsplash
Ouça este artigo
00:00
06:24

Os homens diagnosticados com covid longa são mais propensos a apresentar um quadro de disfunção eréctil (DE) quando comparados a casos de covid aguda. A conclusão faz parte de um estudo, publicado, na semana passada, no IJIR: Your Sexual Medicine Journal, que também avaliou a sequela em casos de hospitalização ou nos que exigiram a administração de vasopressores (e que conclui que nenhum destes factores exacerbava os números de diagnósticos posteriores de DE).

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.
Sugerir correcção
Comentar