Fotogaleria

Em Cascais, uma casa construída “de improviso” deu lugar a um museu

A moradia Casal Saloio foi usada para habitação durante séculos. Em Março, deu lugar a um museu para homenagear as raízes rurais de São Domingos de Rana.

A moradia Casal Saloio é agora um museu
Fotogaleria
A moradia Casal Saloio é agora um museu

A moradia Casal Saloio começou a ser construída no século XVI e esteve em constante mudança até ao século XX: a cozinha e o forno de tijolo eram o coração da casa que, aos poucos, se foi expandindo para um novo piso superior quando o espaço começou a escassear para a família que aí vivia. Agora, esta casa situada na freguesia de São Domingos de Rana transformaram-se por completo para ver nascer um museu dedicado às tradições rurais.

A ideia partiu da Câmara Municipal de Cascais e foi executada pelo ateliê do arquitecto Miguel Marcelino. “A casa acaba por ser portuguesa no sentido de ser [fruto] do improviso, da informalidade e de [tentar] resolver problemas. Nunca houve um projecto de ampliação, havia necessidade de espaço e construía-se um anexo. Olhando agora, acaba por ser uma leitura morfológica interessante”, explica em entrevista ao P3.

Da casa degradada com o telhado prestes a ruir, restaram apenas as paredes de cal, o forno e as lajes do pavimento da cozinha cuidadosamente aproveitados para este novo espaço. “Interessava-nos ter uma leitura do que era esse património, as volumetrias e abordagens, e conservar para os dias de hoje e para o futuro. Mas ao mesmo tempo, não fazia sentido fazer uma ampliação a imitar o antigo, nem uma construção com um ambiente muito dissonante do anterior”, adianta Miguel Marcelino.

Desta forma, foram criados dois novos espaços que, apesar de modernos se fundem com a morfologia antiga. A pedra e o betão pigmentado, material contemporâneo que, ao mesmo tempo, confere um certo tradicionalismo à casa, contribuem para isso. Além disto, destaca o arquitecto, “os rebocos, a argamassa, as madeiras, estão todas à vista e são protagonistas do espaço”.

No interior, a madeira prolonga-se pelas paredes e tectos de todas as divisões. No entanto, há uma diferença entre a zona nova e antiga: “O léxico dos materiais muda e passamos a ter soalho no pavimento e a cobertura com a estrutura de madeira à vista”, expõe. Na zona nova optou pelo contraplacado.

O projecto de requalificação do novo museu começou em 2019 e as obras ficaram concluídas em Março de 2023. No dia 17 de Março, o Centro de Interpretação do Mundo Rural de Cascais abria as portas pela primeira vez com exposições sobre a agricultura, pecuária e outras actividades dos tempos em que Cascais era uma zona rural.

Para o arquitecto, requalificar o Casal Saloio é também criar património do século XXI “com uma construção contemporânea atractiva”. Lourenço Abreu fotografou a casa, captando o equilíbrio de escalas de séculos diferentes que agora se encontram.

A moradia Casal Saloio é agora um museu
A moradia Casal Saloio é agora um museu Lourenço T. Abreu
As obras de reconstrução começaram em 2019 e terminaram em Março de 2023
As obras de reconstrução começaram em 2019 e terminaram em Março de 2023 Lourenço T. Abreu
A estrutura manteve a parte antiga e construiu uma nova