Os 500 patos que cuidam das vinhas de Stellenbosch. “São um exército”

Garantem um controlo sustentável das pragas, trabalham com gosto, são uma atracção turística em Stellenbosch, na África do Sul. “Chamamos-lhes os soldados das vinhas.”

fotogaleria,vinicultura,vinhos,fugas,agricultura,africa-sul,
Fotogaleria
Em vez de pesticidas, patos peritos em despachar caracóis e insectos nas vinhas de Stellenbosch, África do Sul Reuters/ESA ALEXANDER
fotogaleria,vinicultura,vinhos,fugas,agricultura,africa-sul,
Fotogaleria
Diariamente, as centenas de patos percorrem as vinhas - Stellenbosch, África do Sul Reuters/ESA ALEXANDER
fotogaleria,vinicultura,vinhos,fugas,agricultura,africa-sul,
Fotogaleria
É um trabalho que parece fazerem com gosto - Stellenbosch, África do Sul Reuters/ESA ALEXANDER
fotogaleria,vinicultura,vinhos,fugas,agricultura,africa-sul,
Fotogaleria
Não precisam de muita ajuda, mas umas indicações são preciosas - Stellenbosch, África do Sul Reuters/ESA ALEXANDER
Fotogaleria
Não precisam de muita ajuda, mas umas indicações são preciosas - Stellenbosch, África do Sul Reuters/ESA ALEXANDER
Fotogaleria
Estes controladores de pragas garantem um trabalho de alta sustentabilidade - Stellenbosch, África do Sul Reuters/ESA ALEXANDER
Pato
Fotogaleria
Os patos são também uma atracção - Stellenbosch, África do Sul Reuters/ESA ALEXANDER

Bandos de patos brancos, pretos e castanhos caçam caracóis e insectos enquanto patrulham as vinhas perto da cidade vitivinícola de Stellenbosch, na África do Sul, ajudando os proprietários a terem alternativas aos pesticidas e fertilizantes sintéticos.

Cerca de 500 patos trabalham como controlo natural de pragas na propriedade de Vergenoegd Löw, mas também entretêm turistas que se dedicam à caça do vinho.

"Chamamos-lhes os soldados das vinhas", disse à Reuters o director-geral da quinta, Corius Visser.

Foto
Prontos para o serviço nas vinhas da Vergenoegd Wine Estate, Stellenbosch, Cidade do Cabo, África do Sul REUTERS/Esa Alexander

Os patos estão no centro das práticas agrícolas regenerativas da vinicultura local, e especificamente os corredores indianos​, que têm pernas longas e uma postura erecta, o que significa que são capazes de alcançar os caracóis entre as folhas.

Foto
"É como um exército" REUTERS/Esa Alexander

Estrume rico em nutrientes provenientes dos patos e de outros animais garantem que a vinha vive de forma tão sustentável quanto possível.

Seguindo o líder, os patos marcham em filas pelas vinhas. "É espantoso como se comportam, andam em fila, e é como se estivessem no exército", disse Merle Holdsworth, um turista.

Foto
Prontos para o serviço nas vinhas da Vergenoegd Wine Estate, Stellenbosch, Cidade do Cabo, África do Sul Reuters

Os patos seguem uma rotina diária: de manhã, vão para as vinhas para evitar danos nas colheitas e, à noite, regressam ao seu recinto para bicarem os pellets de comida nutritiva para aves.

Foto
Com o seu cuidador, Yodell Scholtz Reuters/ESA ALEXANDER

O cuidador dos patos, nos últimos dois anos, estabeleceu também uma relação especial com este "exército": "É quase como criar os meus próprios filhos, por isso gosto muito", diz Yodell Scholtz.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários