Oito detidos por tentativa de roubo de obra de Banksy na Ucrânia

Outras obras do mais famoso artista urbano do mundo feitas recentemente na Ucrânia estão agora sob protecção policial.

guerra-ucrania,arte,arte-urbana,banksy,culturaipsilon,
Fotogaleria
A parede de onde a obra foi retirada VALENTYN OGIRENKO/Reuters
guerra-ucrania,arte,arte-urbana,banksy,culturaipsilon,
Fotogaleria
Outra das intervenções de Banksy na Ucrânia SERGEY DOLZHENKO/EPA
guerra-ucrania,arte,arte-urbana,banksy,culturaipsilon,
Fotogaleria
A obra que tentaram furtar, agora sob protecção da polícia VALENTYN OGIRENKO/reuters

Oito pessoas foram detidas por suspeita de tentativa de roubo de um dos stencils do artista urbano Banksy feitas na Ucrânia, informou a polícia local no sábado. As restantes obras do misterioso e valioso artista feitas em alusão à guerra na Ucrânia espalhadas pelo país estão agora sob vigilância das autoridades.

O chefe da polícia de Kiev disse que oito pessoas foram detidas e identificadas por possível envolvimento na tentativa de roubo de uma obra de Banksy em Hostomel, nos arredores da capital ucraniana. “Tinham idades entre os 27 e os 60 anos. São residentes de Kiev e Cherkasy”, uma localidade a cerca de 200 quilómetros da capital, disse Andriy Nebyto, citado pela agência de notícias AFP.

Um grupo de pessoas tentou roubar um mural do artista Banksy na sexta-feira na Ucrânia, cortando uma secção da parede marcada pela batalha onde foi pintado, noticiou a Reuters. A obra chegou mesmo a ser retirada da parede de um edifício com marcas dos ataques decorrentes da invasão da Rússia. Trata-se da imagem de uma mulher com máscara de gás, em camisa de noite, segurando um extintor de incêndio.

Ainda assim, o mural foi recuperado intacto. Banksy pintou sete obras diferentes em locais distintos no mês passado na Ucrânia, todos alusivos à invasão russa. “Estas imagens são, afinal, símbolos da nossa luta contra o inimigo... Tudo faremos para preservar estas obras de street art como símbolo da nossa vitória”, afirmou o governador da região de Kiev, Oleksiy Kuleba, citado pela Reuters.

Sugerir correcção
Comentar