Gorée, a ilha da “dignidade” que conta a história dos escravos

A ilha de Gorée — cujo nome significa “dignidade” e que é Património Mundial da UNESCO — foi descoberta, em 1444, pelos portugueses, que deram início ao comércio de escravos.

dro daniel rocha - 2022 Senegal
Fotogaleria
"Porta da viagem sem retorno", no Museu dos Escravos, ilha de Gorée Daniel Rocha
dro daniel rocha - 2022 Senegal ilha de Goree ligada ao comercio de pessoas escravizadas
Fotogaleria
Ilha de Gorée outrora ligada ao comércio de pessoas escravizadas Daniel Rocha
dro daniel rocha - 2022 Senegal ilha de Goree ligada ao comercio de pessoas escravizadas museu
Fotogaleria
Museu dos Escravos, ilha de Gorée Daniel Rocha
dro daniel rocha - 2022 Senegal ilha de Goree ligada ao comercio de pessoas escravizadas
Fotogaleria
Senegal ilha de Gorée Daniel Rocha

Se o calor abrasador e o solo árido nalgumas regiões do país fazem lembrar o faroeste, Dacar, a capital e maior cidade do Senegal, contrasta com todos os outros locais. As ruas, ladeadas por prédios altos e escuros, estão cheias de gente e os autocarros brancos circulam pelo trânsito caótico completamente lotados — há até quem apanhe boleia pendurado na traseira do veículo. É a partir do porto marítimo de Dacar, o maior porto africano, que parte o ferry boat em direcção à ilha de Gorée.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários