A coragem de nos reinventarmos

Quando se trata de tomarmos decisões na nossa vida ou de mudarmos o rumo, acabamos muitas vezes por ceder ao “deixar as coisas como estão”, porque o que temos é garantido e estável.

Foto
"Quando nos reinventamos, é normal sentirmos receios, medo (muito medo!) e até desconforto físico" Fallon Michael/Unsplash

Quando me pediram para escrever um texto sobre a coragem de nos reinventarmos para este número da Ímpar, aceitei logo, apesar de não fazer a mínima ideia do que escrever. É, ainda para mais, uma agradável coincidência, visto que eu própria estou a iniciar um processo de reinvenção. Na realidade, mais um, aos 37 anos, e espero que não seja o último.

Sugerir correcção
Comentar