Paliativos, habitação e fim dos “direitos do Homem”: o que une PS e PSD nas mudanças à Constituição

As alterações à Constituição dependem dos votos de pelo menos 154 deputados, o que obrigará o PS a negociar propostas. Quais as áreas em que poderá haver entendimento com o PSD? Olhamos para algumas.

Foto
A proposta do PSD é mais extensa do que a proposta do PS, que deixa de fora alterações ao sistema político LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO

Além das propostas de alteração à revisão constitucional que o PS e o PSD têm para o acesso aos metadados (dados de tráfego e localização das comunicações) e do confinamento por razões de saúde pública, há outros temas que aproximam os dois partidos. Embora discordem da abrangência da revisão constitucional, os dois partidos terão de negociar, já que os 116 deputados do PS não são suficientes para aprovar alterações à Constituição, que exigem o voto a favor de pelo menos 154 deputados (dois terços do hemiciclo). O PÚBLICO comparou as duas propostas e identificou pelo menos cinco áreas em que socialistas e sociais-democratas poderão alcançar compromissos para que as suas propostas avancem.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários