Pelléas e Mélisande, um labirinto de emoções no Centro Cultural de Belém

É com uma ópera fora do vulgar que a jovem Orquestra XXI faz a sua primeira investida no género, esta sexta-feira em Lisboa. Como ganha nova forma este “drama lírico” do compositor francês, 120 anos depois da sua estreia em Paris?

NFS Nuno Ferreira Santos - 04 Outubro 2022 -  ensaio da opera Palleas et Melisande no CCB com o maestro Dinis Sousa e a encenadora Kristiina Helin
Fotogaleria
André Baleiro é Pelléas, Susana Gaspar é Mélisande Nuno Ferreira Santos
NFS Nuno Ferreira Santos - 04 Outubro 2022 -  ensaio da opera Palleas et Melisande no CCB com o maestro Dinis Sousa e a encenadora Kristiina Helin
Fotogaleria
Pelléas et Melisande parte da peça homónima de Maeterlinck Nuno Ferreira Santos
NFS Nuno Ferreira Santos - 04 Outubro 2022 -  ensaio da opera Palleas et Melisande no CCB com o maestro Dinis Sousa e a encenadora Kristiina Helin
Fotogaleria
Embora se situe na Idade Média, a acção desta ópera é intemporal Nuno Ferreira Santos

Frenesim no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém. O maestro e a encenadora dão indicações, por vezes quase sobrepostas, porque a música e a cena têm de se afinar e encontrar em palco, e não há tempo a perder. A Orquestra XXI, composta por jovens músicos nacionais residentes no estrangeiro, está a fazer ópera pela primeira vez. E logo com Pelléas et Melisande, “drama lírico” de Debussy, poucas vezes apresentado em Portugal, e muitíssimo desafiante. A estreia é esta sexta-feira, às 19h, com nova récita no domingo.

Sugerir correcção
Comentar