Sidney Poitier: um homem do seu tempo

Recordar Sidney Poitier num documentário que explica muito bem a verdadeira importância que ele teve: alguém que soube existir no seu tempo e não se quis agarrar ao estrelato.

ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Uma testemunha e participante de uma época significativa da história americana
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Uma testemunha e participante de uma época significativa da história americana
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Uma testemunha e participante de uma época significativa da história americana

Perto do fim do documentário de Reginald Hudlin, diz-se que Sidney Poitier, que foi nos anos 1960 uma das grandes estrelas de Hollywood tout court, foi “deixado de lado” pela nova geração de actores e cineastas negros a quem ajudara a abrir caminho. Era visto como insuficientemente “revolucionário”, insuficientemente “negro”, insuficientemente “orgulhoso” na era do say it loud, I’m black and I’m proud – e isto apesar de ter sido o primeiro negro a quebrar o “telhado de vidro” de Hollywood, ao vencer o galardão de Melhor Actor em 1964 por Os Lírios do Campo.

Sugerir correcção
Comentar