Uma casa sem remendo

Na segunda parte da trilogia que Pedro Penim iniciou com Pais & Filhos, passado e presente digladiam-se à procura de um futuro num paleta de temas que vai da guerra colonial ao ambientalismo.

pedro-penim,colonialismo,teatro-nacional-d-maria-ii,critica,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Fado Bicha a interrogarem-se sobre melodias do cancioneiro a encapsular a alma portuguesa filipe ferreira
pedro-penim,colonialismo,teatro-nacional-d-maria-ii,critica,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
"Uma Casa Portuguesa", manifesto de Pedro Penim para ver no D. Maria II filipe ferreira
pedro-penim,colonialismo,teatro-nacional-d-maria-ii,critica,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Actores Carla Maciel, João Lagarto e Sandro Feliciano filipe ferreira

Fantasmas não faltam a este homem. Este protagonista que o mais das vezes não passa de um saco de pancada; este sujeito que, não sendo socialmente nem moralmente descartável, também já não faz grande falta – se alguma faz –, pois, a bem dizer, mal compreende o que se passa à sua volta e menos ainda de onde vem a culpa de que todos o acusam; quanto mais a necessidade de mudar quando quase tudo, na sua maneira de ver, mais do que a precisar de mudança, está realmente mudado… para pior. Não é agradável viver em negação quando se desconhece estar a fazer o luto de um tempo. Ainda tem o fado. Também aí as coisas correm mal. Ele bem pede Ó Tempo Volta para Trás, mas dão-lhe sempre Uma Casa Portuguesa.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários