Governo tem margem de 1800 milhões para novas medidas no OE

Conselho das Finanças Públicas estima défice abaixo do previsto este ano e diz que, se não fossem tomadas novas medidas, se chegaria a um excedente logo em 2023. Mas a possibilidade de uma recessão continua a ensombrar as previsões

Foto
Fernando Medina sob pressão para construir o OE 2023, o seu primeiro na íntegra. Daniel Rocha

A economia pode estar a abrandar e a inflação a produzir efeitos negativos na grande maioria da população, mas ainda assim, de acordo com as contas do Conselho das Finanças Públicas (CFP), o Governo, não só está a caminhar para um saldo melhor do que o previsto este ano, como conta, no Orçamento do Estado de 2023, com uma margem de cerca de 1800 milhões de euros para renovar ou tomar novas medidas, sem colocar em causa as suas metas para o défice orçamental.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários