Ruído branco a afogar um filme simpático

O segundo filme da actriz Olivia Wilde é uma série B simpática mas confusa, com coisas boas mas sem arcaboiço para a sua ambição.

“Ruído branco” a afogar um filme simpático
Fotogaleria
“Ruído branco” a afogar um filme simpático
cultura,ipsilon,one-direction,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
cultura,ipsilon,one-direction,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
“Ruído branco” a afogar um filme simpático
cultura,ipsilon,one-direction,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
“Ruído branco” a afogar um filme simpático
,Diretor de filme
Fotogaleria
“Ruído branco” a afogar um filme simpático

Com tanta coisa interessante que se podia (pode) dizer a propósito da segunda longa da actriz Olivia Wilde depois de Booksmart, toda a gente preferiu debruçar-se sobre as intriguinhas de bastidores que parecem ter posto Wilde e a sua actriz principal, Florence Pugh, de candeias às avessas, mais o facto da realizadora estar a dirigir o namorado Harry Styles (dos One Direction) e que atingiram o seu píncaro na “tabloidização” da estreia de Não te Preocupes Querida no Festival de Veneza.

Sugerir correcção
Comentar