IRC: Economia e Finanças com mensagens diferentes para as empresas

Poucos dias depois de o ministro da Economia ter defendido um corte transversal do IRC, as Finanças recusam a ideia de um choque fiscal.

Foto
Fernando Medina e António Costa Silva no parlamento Rui Gaudêncio

Da Economia, ouve-se a defesa de “um corte transversal do IRC”, das Finanças, avisos de que “um choque fiscal não é a panaceia para resolver todos os problemas”. No meio dos discursos aparentemente contraditórios que surgem dentro do Governo, aumenta a esperança do patronato na possibilidade de um corte de IRC em 2023, mas a verdade é que a dúvida persiste em relação ao que é que as empresas devem esperar ao nível dos impostos do próximo Orçamento do Estado (OE).

Sugerir correcção
Ler 7 comentários