Uvas de Alvarinho roubadas em Melgaço e a candonga do “papel” e do “cartão”

Mas no lado de lá da fronteira o preço pode duplicar... Ou seja, as cinco toneladas de uvas roubadas, se vendidas em Espanha, podem render 10 mil euros. Já é dinheiro.

Foto
Rota do vinho Alvarinho Nelson Garrido

Andava um grupo de vindimadores, na passada terça-feira, a colher uvas de Alvarinho numa vinha que a empresa Lua Cheia tem arrendada na freguesia de Paderne, no concelho de Melgaço, quando um deles se apercebeu de algumas videiras já vindimadas. Informado, Francisco Baptista, enólogo e sócio da empresa, desvalorizou, julgando tratar-se de coisa sem significado.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários