Dar o corpo à repressão com o sonho de “fazer uma Angola melhor”

Os presos políticos angolanos do processo dos 15+2 continuam quase todos activos. Viveram na ilusão de que a mudança estava em curso com João Lourenço, hoje já não têm dúvidas de que tudo está muito pior. “Quando o regime se fechou, fechou-se até hoje e com muita brutalidade”

Foto
José Gomes Hata, Nicolas Radical e Inocêncio Brito António Rodrigues

Sete anos depois do seu mediático julgamento por tentativa de golpe de Estado, que os condenou a penas entre os dois e os oitos anos de prisão (acabaram por sair mercê de uma amnistia um ano depois), quase todos os activistas políticos envolvidos no processo que ficou conhecido como o dos 15+2 continuam com a vontade intacta de derrubar o regime de quase 47 anos do MPLA em Angola.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários