Hasta la vista, baby

A sobrevivência de Boris demonstra o peso das emoções nas escolhas políticas em detrimento da razão. Boris Johnson nunca foi o Trump europeu, mas a emoção é o terreno de todos os populismos.

Boris Johnson não desiludiu na sua última intervenção no Parlamento. Aliás, ainda que tenha sido um muito razoável mayor de Londres, só iludiu quem se quis iludir – e convenhamos que foi muita gente. O engraçado em Boris Johnson é que chega ao poder embalado numa única característica: a profunda atracção e emoção que provocava nas pessoas comuns, isto para além de, à última hora, ter tomado a opção que serviria melhor a sua carreira política ao transformar-se no mais enlouquecido defensor do “Brexit” (a história que tinha dois discursos, um a favor do “Brexit” e outra contra, na véspera da decisão, já foi amplamente contada).

Sugerir correcção
Ler 11 comentários