Banco de Portugal vê risco de queda dos preços da habitação

O regulador admite a possibilidade de uma “correcção significativa” dos preços da habitação, cenário que teria impacto directo no balanço dos bancos.

Foto
Mário Centeno, governador do Banco de Portugal Ricardo Lopes

Ao fim de quatro meses de guerra na Ucrânia, e numa altura em que a inflação atinge os níveis mais elevados em várias décadas, o Banco de Portugal (BdP) está a subir o tom dos alertas relativos aos riscos para a estabilidade financeira. Entre os principais riscos está agora a possibilidade de uma “correcção significativa nos preços do mercado imobiliário residencial”, um cenário que, a confirmar-se, poderá ter impacto directo no balanço dos bancos.

No mais recente Relatório de Estabilidade Financeira, relativo a Junho de 2022 e publicado esta sexta-feira, o BdP reconhece, entre as principais vulnerabilidades e riscos para a estabilidade financeira, “o risco de uma redução dos preços no mercado imobiliário residencial, decorrente de alterações nas condições de financiamento”.

Este risco é apontado num momento em que as taxas de juro voltam a aumentar, ao fim de vários anos em níveis historicamente baixos e mesmo negativos, o que vem encarecer o crédito. Ao mesmo tempo, por esta altura, os preços das casas continuam a aumentar a ritmo acelerado, fruto do aumento da procura de habitação, sobretudo por não residentes, e da persistente escassez de oferta. No primeiro trimestre de 2022, segundo os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE), os preços de venda da habitação em Portugal aumentaram 12,9% face a igual período do ano passado.

Neste contexto, o BdP considera que, “nos últimos anos, o crédito bancário doméstico não tem sido o principal factor subjacente à subida dos preços da habitação”, mas esse é um cenário que pode alterar-se e que tem de ser monitorizado. “No contexto do recente maior crescimento observado no crédito à habitação, é fundamental assegurar que este não passe a assumir um papel determinante para a evolução dos preços no mercado imobiliário”, pode ler-se no relatório.

O regulador salienta, ainda, que “a adopção da recomendação macroprudencial relativa aos novos créditos tem-se traduzido numa melhoria do perfil de risco dos mutuários e das características da carteira de crédito à habitação”. E reconhece, por fim, que “o rácio de empréstimo relativamente ao valor do colateral da carteira de crédito à habitação indicia resiliência a uma correcção do imobiliário residencial”.

Ainda assim, o risco existe e mereceu mesmo uma análise alargada por parte do BdP. Com base num modelo estatístico que analisou a distribuição da variação dos preços da habitação em Portugal em 2021, “condicionada pela situação financeira e económica que prevalecia” nesse ano, o regulador aponta para “uma expectativa de deterioração dos preços do mercado habitacional de 2023 para 2024 no cenário central”. Ao mesmo tempo, prevê “um aumento da incerteza” a partir de 2023.

“As circunstâncias actuais e esta análise justificam a necessidade de continuar a monitorizar os riscos no sector imobiliário residencial, em particular, num contexto de normalização da política monetária e de persistência da dinâmica de crescimento dos preços da habitação”, conclui o BdP.

Situação financeira das famílias pode deteriorar-se

Ao risco de correcção dos preços do imobiliário, junta-se o da deterioração da situação financeira das famílias, fruto do aumento das taxas de juro e da inflação, o que, por sua vez, poderá levar a um aumento do incumprimento do crédito.

“No actual enquadramento macroeconómico e geopolítico, conjugado com a expectável subida das taxas de juro de mercado, a situação financeira dos particulares pode deteriorar-se, aumentando o risco do incumprimento”, reconhece o BdP. “Em Portugal, a proporção de empréstimos à habitação com taxa variável é de cerca de 90%, levando a que a subida das taxas de juro de mercado se traduza num aumento do serviço de dívida. O indexante mais frequente é a Euribor a 12 meses. A este efeito acresce a redução do rendimento real disponível e o impacto da crise pandémica na situação financeira de algumas famílias”, acrescenta.

Ainda assim, o regulador sublinha que “há factores que mitigam o risco de incumprimento dos particulares”, destacando a redução do endividamento que se observou no período anterior à pandemia e que foi transversal a famílias com vários níveis de rendimento. Ao mesmo tempo, verificou-se uma “melhoria do perfil de risco dos novos mutuários em consequência da recomendação macroprudencial”.

Sugerir correcção
Ler 29 comentários