Viver um burnout: “Vivia para o trabalho e ainda por cima detestava-o”

Ouça o novo podcast dedicado à saúde mental com produção da jornalista Inês Chaíça. Há um novo tema para ouvir quinzenalmente às quartas-feiras.

“Estava farta de estar mal-humorada, irritada, sempre. Não dormir e trabalhar, estar farta daquele trabalho e ter de continuar”: são as primeiras palavras que Thaísa Santos, técnica de marketing de 32 anos, usa para descrever o burnout por que passou. Os primeiros sinais de alerta começaram em 2019: dores físicas, insónia, relações com as pessoas mais próximas cada vez mais tensas. Foram esses os factores que a fizeram pedir ajuda.

Passou quase dois anos em tratamentos, que incluíram a toma de um antidepressivo, mas agora sente-se melhor e conseguiu mudar de emprego – trabalha para uma empresa que respeita o seu tempo e lhe dá flexibilidade.

Não está sozinha. Estima-se que, na Europa, pelo menos 40 milhões de trabalhadores apresentem alguns sinais de burnout. As profissões relacionadas com os cuidados – médicos, enfermeiros, cuidadores informais – estão em maior risco, mas ninguém está isento.

Liliana Dias, psicóloga da área da saúde e do bem-estar no trabalho, explica que o principal sintoma de um burnout é “a exaustão emocional, que se traduz numa diminuição do envolvimento e da dedicação no trabalho”. Os primeiros sintomas podem ser físicos (“um cansaço que não se explica”), mas também um desinteresse no trabalho: “Perco o sentido. Porque é que tenho de trabalhar?”.

A pandemia também trouxe novos desafios, ao afastar-nos do local de trabalho e da dinâmica social associada, que tem um efeito protector. Mas mais do que burnout, a psicóloga usa o termo “definhamento” para explicar o que nos aconteceu durante os dois últimos anos: “Ainda não estamos numa fase de exaustão emocional ou mesmo com outra patologia do foro mental, como depressão ou ansiedade. Mas estamos num definhamento dos nossos recursos emocionais e cognitivos.”

Podcast realizado em parceria com a Ordem dos Psicólogos.

Siga o podcast Terapia no Soundcloud, no Spotify, Apple Podcasts e outras aplicações para podcasts.

Conheça os podcasts do PÚBLICO em publico.pt/podcasts.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários