Fim do acordo com Berardo traz ao Estado obras de arte no valor de 4,2 milhões de euros

Com a denúncia do protocolo, que o Ministério da Cultura formalizou esta sexta-feira, revertem para o Estado as 214 obras adquiridas para a colecção a partir de 2006.

Foto
Os estatutos da Fundação de Arte Moderna e Contemporânea – Colecção Berardo prevêem que, em caso de dissolução, “todo o restante património, nomeadamente as obras adquiridas através do fundo de aquisições ou por doações ou legados, reverte a favor do Estado”

O Ministério da Cultura (MC) concretizou esta sexta-feira a denúncia do acordo de comodato da Colecção Berardo, confirmou ao PÚBLICO o gabinete de Pedro Adão e Silva, uma medida que garante desde logo ao Estado a posse das 214 obras que foram adquiridas para a colecção, bem como de outras que esta recebeu em doação, num valor global de cerca de 4,2 milhões de euros.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários