Linhagem BA.5 é dominante. Vírus tem “capacidade de adaptação notável, mas, para já, não há razões para pessimismos”

A linhagem BA.5 da variante Ómicron já é dominante em Portugal, com cerca de 64% dos novos casos de infecção no início desta semana. Muitas pessoas estão a reinfectar-se nesta que é já a sexta vaga. Mas, “para já, não há razões para pessimismos”, sublinha João Paulo Gomes, microbiologista do Instituto Ricardo Jorge.

Foto
Especialista recomenda às pessoas vulneráveis que sigam as indicações de vacinação e, logo que sejam chamadas, não demorem tempo e vacinem-se Mário Cruz

É um dos factores que explicam o rápido aumento de novos casos de infecção por SARS-Cov-2 a que Portugal está a assistir, a sexta vaga. A linhagem BA.5 da variante Ómicron já é dominante em Portugal, mas não há provas de que esteja associada a maior severidade, por enquanto, diz João Paulo Gomes, o microbiologista que coordena a investigação sobre a diversidade genética do SARS-CoV-2 no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (Insa). A nova linhagem, que começou por ser detectada na África do Sul, onde também já é dominante, entrou na Europa por Portugal, mas os outros países “vão mimetizar o que se está a passar cá”, acredita o investigador.

Sugerir correcção
Ler 17 comentários