As esquerdas e a guerra na Ucrânia, entre o cisma e o seguidismo

Manifesto de 38 partidos comunistas e operários e 27 organizações juvenis criticam Moscovo e Kiev. PCP e JCP não subcreveram.

evo-morales,vladimir-putin,lula-silva,russia,ucrania,nato,
Fotogaleria
A confusão entre a União Soviética e a Federação da Rússia marcou o desfile de 9 de Maio, em Moscovo EPA/MAXIM SHIPENKOV
evo-morales,vladimir-putin,lula-silva,russia,ucrania,nato,
Fotogaleria
Putin e a invasão da Ucrânia continuam a dividir a esquerda Reuters/SPUTNIK

Não foi necessariamente a 24 de Fevereiro, com a invasão da Ucrânia pelos tanques do Kremlin, que as esquerdas se começaram a demarcar do regime de Vladimir Putin. Bem antes, os caminhos políticos de Moscovo suscitaram dúvidas, depois da queda do Muro de Berlim e da implosão da União Soviética. Mas com a invasão tudo piorou: houve um cisma e os inevitáveis seguidismos por conveniência geopolítica ou sobrevivência económica.

Sugerir correcção
Ler 12 comentários