Assédio sexual na FDUL: “Não encaramos isto com surpresa, já havia relatos”

Segundo Miguel Afonso, presidente da Associação Académica da Universidade de Lisboa, já havia a noção, entre a comunidade académica, de que o assédio sexual era uma realidade. E defende que as faculdades devem criar “mecanismos de comunicação directa” para que os estudantes possam relatar experiências negativas.

Foto
Miguel Afonso

Depois da denúncia de assédio por parte de um professor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDUL) a um grupo de alunas, a instituição abriu um canal dedicado exclusivamente a relatos deste género. Segundo o Diário de Notícias, em apenas onze dias, foram reportadas 50 queixas.

Sugerir correcção
Comentar