Os três discursos de posse de Costa: o da ruptura, o da prudência e o do conforto

Em três tomadas de posse, só agora falou de reformas. Mas na perspectiva do que foi feito, sem especificar e sem anúncio de novas medidas.

Foto
Primiero-ministro discursa sob o olhar atento de Marcelo Nuno Ferreira Santos

Pode parecer uma verdade de la Palice, mas a comparação dos três discursos de posse de António Costa como primeiro-ministro traduz fielmente momentos diversos na política portuguesa. Em 2015, houve uma ruptura, em 2019 a prudência e, nesta quarta-feira, o conforto.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários