Da Europa como destino

Todas as decisões que reforçaram os poderes da UE não se traduzem numa perda de soberania, porque foram os Estados, voluntariamente, que aceitaram transferir poderes para a União.

Dizem que a Europa tem um mal (um de muitos, segundo os que convivem mal com a ideia da Europa): vive em crise perene. Eu diria: esse é um dos bens que a Europa nos deixa em legado. Porque uma crise, muito embora imponha sacrifícios e leve vítimas consigo, deve ser encarada desde um posto de vigia sobranceiro. É essa atalaia que deixa vir ao de cima o efeito heurístico de uma crise. No caso da União Europeia (UE), a perenização da(s) crise(s) é o marcador do seu património genético. As crises têm sido o salvo-conduto da UE: a União tem atravessado todas elas, muitas vezes contra os piores prognósticos. A UE reforça-se no dorso das crises.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários