Um beijo (não) é só um beijo

Não havia necessidade de um quarto Matrix, mas com uma bela pirueta que leva em conta os 20 anos passados desde o original e a sua influência na cultura popular, Lana Wachowski prova que, afinal, sim.

Foto
É uma espécie de “romance do recasamento” em que tudo parece ser um obstáculo à reunião entre Neo e Trinity

Chama-se a isto tirar um coelho (branco) da cartola: ainda nem passou meia-hora de Matrix Resurrections e uma das personagens diz que “a nossa casa-mãe, a Warner Bros., quer que façamos um quarto jogo Matrix e não aceitam não como resposta”. E, de um momento para o outro, tudo bascula: o quarto filme que ninguém esperava (e que ninguém forçosamente queria; quantas pessoas que acharam o Matrix original uma pedrada no charco se sentiram decepcionadas pelas duas sequelas?) ganha uma relevância completamente diferente e relança a “toca do coelho” entre a realidade e a ficção. E, o que é importante, com muito humor.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários