Falta de progresso contra a corrupção “é falta de vontade política”, resume Susana Coroado

A presidente da organização não-governamental Transparência e Integridade faz um balanço do que voltou a ficar na gaveta e critica a falta de transparência das contas dos partidos e e do financiamento das suas campanhas políticas.

Foto
Susana Coroado é presidente da Transparência e Integridade desde Setembro de 2020 Nuno Ferreira Santos

Cerca de um ano depois de ter assumido a presidência da organização não-governamental Transparência e Integridade e no Dia Internacional Contra a Corrupção, Susana Coroado faz um balanço do caminho feito a nível nacional – e do que voltou a ficar na gaveta. O adiamento da regulamentação do lobbying é o exemplo mais imediato, mas as preocupações são muito mais amplas.

Sugerir correcção
Comentar