Presidente veta lei da eutanásia, que só volta ao Parlamento depois das eleições

Marcelo Rebelo de Sousa afirma que nova versão da lei alarga o leque das situações abrangidas pela morte medicamente assistida. “Exigia-se doença fatal. Passar-se-ia agora a dispensar tal exigência”, afirma, questionando se “tal visão mais radical ou drástica” corresponde “ao sentimento dominante na sociedade portuguesa”.

Foto
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa LUSA/AMPE ROGÉRIO

O Presidente da República decidiu depressa: mal chegou de Angola e recebeu oficialmente decreto da Assembleia da República que descriminaliza a morte medicamente assistida, anunciou a decisão de vetar o diploma, aprovado por larga maioria no Parlamento. O chefe de Estado considera que esta segunda versão do diploma, “além de introduzir alterações para fazer face à decisão e à argumentação do Tribunal Constitucional, aproveita para aditar novas normas, que suscitam inesperadas perplexidades”. 

Sugerir correcção
Ler 78 comentários