Depois do amor

Há casais presos numa espécie de necrofilia pouco saudável onde diariamente se continua a alimentar e acariciar uma relação morta. E, às vezes, morta há tanto tempo que já não há manobras de suporte avançado de vida que a possam salvar.

Foto
"A separação, que me perdoem os mais conservadores, pode mesmo ser uma bênção" Paulo Pimenta

Abri o baú de madeira que vive há anos na sala de casa dos meus pais enquanto procurava uma toalha de mesa bordada por uma das minhas tias. Mas o que encontrei lá dentro foi um vestido de noiva. O vestido que escolhi numa tarde de Primavera. O vestido contrário a tudo o que sempre disse que seria o meu vestido de sonho. Um vestido sem rendas e em que dispensei o véu, mas que, ainda assim, gritava bem alto que há sangue espanhol a correr nas minhas veias. O vestido que o meu padrinho pagou em dinheiro, com rolinhos de notas atados com elásticos que me fizeram corar. O vestido que usei quando o meu pai me conduziu até ao altar, embalados pelo Can’t help falling in love, do Elvis Presley.